Al√©m da pausa nas presta√ß√Ķes do financiamento imobili√°rio em contratos antigos, a Caixa ampliou para seis meses a car√™ncia para pagamento das parcelas em novos contratos.

Mesmo em meio √† crise econ√īmica provocada pela pandemia, o segmento imobili√°rio est√° buscando meios para se manter aquecido. Algumas medidas j√° existiam com o objetivo de fomentar setor, enquanto outras foram tomadas recentemente para mitigar os efeitos da crise, como o adiamento de parcelas do financiamento imobili√°rio na Caixa Econ√īmica Federal. A princ√≠pio, era poss√≠vel adiar as presta√ß√Ķes por at√© tr√™s meses. Agora, a pausa emergencial foi ampliada para quatro meses.

Com juros menores do que nos bancos privados e por ser respons√°vel pelos financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida, a Caixa lidera no Brasil o ranking do cr√©dito imobili√°rio. Recentemente, o banco passou a oferecer car√™ncia de seis meses em novos contratos de financiamento de im√≥veis para pessoas f√≠sicas como incentivo ao setor imobili√°rio frente √† crise provocada pelo coronav√≠rus. Na pr√°tica, isso significa que quem acabou de financiar um im√≥vel pelo banco consegue segurar o pagamento das parcelas por esse tempo. A medida vale para contratos assinados depois do dia 13 de mar√ßo. “A compra do im√≥vel proporciona um respiro de seis meses no bolso do consumidor. Ou seja, quem pode comprar, vai poder usufruir dessas medidas na pr√°tica e passar pela crise com uma conquista t√£o importante que √© a casa pr√≥pria”, avalia o corretor imobili√°rio √ćcaro Torquato.

Além da carência no financiamento, a queda nos valores dos imóveis também tem atraído compradores. Além disso, os juros baixos facilitam a vida de quem pretende financiar, já que a Selic atingiu uma taxa histórica e hoje está fixada em 3% ao ano. A Caixa já adotava algumas medidas para fomentar o ramo imobiliário e elas continuam valendo, mesmo na pandemia, como é o caso da porcentagem de apenas 5% de entrada do valor do imóvel.

Portabilidade

Para quem j√° comprou um im√≥vel e agora v√™ uma oferta de juros menor em outra institui√ß√£o financeira, √© poss√≠vel fazer a portabilidade de cr√©dito, ou seja, levar a d√≠vida de um banco para outro, de modo que o consumidor consiga reduzir o valor das parcelas e melhorar as condi√ß√Ķes.

Para fazer a portabilidade de cr√©dito √© preciso entrar em contato com a institui√ß√£o financeira que ofere√ßa as condi√ß√Ķes mais confort√°veis e solicitar a troca. A documenta√ß√£o ser√° submetida a an√°lise e aprova√ß√£o por parte da institui√ß√£o para a qual a d√≠vida ser√° transferida. Feito isso, o pr√≥ximo passo √© assinar os contratos.

Vale lembrar, no entanto, que olhar apenas os juros e ver qual é mais baixo não é garantia de economia. A orientação dos especialistas é observar o Custo Efetivo Total (CET), indicador que aponta com mais clareza qual banco é mais vantajoso.


Lucas Wendling

Corretor de Im√≥veis, empreendedor e entusiasta das rela√ß√Ķes digitais.

Coment√°rios

Comente! Sua opinião é importante.

Your email address will not be published.